ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Pergunta | Resposta]

Infinitivo de sentido passivo ou construção de elevação?

[Pergunta] Na frase «O silêncio é um dos argumentos mais difíceis de se rebater» (Josh Billings), por que o infinitivo «rebater» não está flexionado? O se é pronome apassivador, podendo a frase escrever-se «O silêncio é um dos argumentos mais difíceis de serem rebatidos»? Ou o se é partícula expletiva podendo, portanto, ser retirado da frase, que ficaria com a redação «O silêncio é um dos argumentos mais difícies de rebater»?

Antecipadamente grato.

Alberto Medeiros :: Aposentado :: Natal, Brasil

[Resposta] O caso em questão é classificado e descrito pela Gramática do Português (Fundação Calouste Gulbenkian, 2013, pág. 1961) como uma construção de elevação do objeto:

«Na construção de elevação do objeto, o sujeito da oração principal corresponde, do ponto de vista semântico, ao complemento direto da oração subordinada, representado pelo segundo "[-]" nos exemplos [a seguir] (cf. arranjar esses relógios, aturar essas crianças, encontrar a rua onde ela mora e encontrá-las):

[...]

a. Esses relógios são difíceis de [Or [-] arranjar [-]].

b. Essas crianças são impossíveis de [Or [-] aturar [-]].

c. A rua onde ela mora é fácil de [Or [-] encontrar [-]].

[...]

Outra característica da construção de elevação do objeto é o facto de ser obrigatoriamente preposicionada, sendo de a preposição introdutória quando o predicador da oração principal é de natureza adjetival.

A elevação do objeto ocorre tipicamente em frases copulativas com predicadores adjetivais de sentido modal ou semelhante, incluindo chato, difícil, fácil, impossível e maçador, sendo mais aceitável quando o sentido destes predicadores é negativo. [...]»

Note-se que esta construção não impede, na oração subordinada, o uso do verbo na passiva (com auxiliar ou partícula apassivadora) (cf. João Peres e Telmo Móia, Áreas Críticas da Língua Portuguesa, Lisboa, Editorial Caminho, 1995, pág. 214-217):

(1) Este argumento é difícil de rebater.

(2) este argumento é difícil de ser rebatido.

(3) Este argumento é difícil de se rebater.

Assinale-se ainda que as construções de elevação são também possíveis com verbos causativos como mandar (cf. ibidem):

(4) Esse argumento, mandei-o rebater por outro advogado.

Contudo, a leitura passiva do infinitivo pode também ocorrer noutros casos, que não parecem ser exatamente os da construção de elevação (cf. ibidem):

(5) São vários os argumentos a rebater.

(6) Este argumento está por rebater.

Carlos Rocha :: 11/04/2014

[Sintaxe]
Infinitivo de sentido passivo ou construção de elevação?
Convidar alguém a + infinitivo (concordância)
Elipse regressiva
A concordância numa oração final de infinitivo
O juízo normativo sobre a locução «é que»
O uso da locução «como que»
A função sintática do advérbio graciosamente numa frase
O verbo estar com expressões relativas a temperatura
Concordância com «a generalidade de...»
Concordância em oração relativa

Mostra todas

Ciber Escola Ciber Cursos