ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Artigos]

E se a revisão filológica fosse mais rigorosa?

Paulo J. S. Barata*

A linguagem literária permite liberdades estilísticas que a linguagem referencial, assente na norma, não aceita. As escritas dos porventura dois mais representativos escritores da nossa contemporaneidade, José Saramago e António Lobo Antunes, são, aliás, disso bons exemplos. E ainda bem que assim é, pois só assim a língua se recria, se reinventa, se enriquece. Pessoalmente, leio com grande prazer os textos de um e de outro.

António Lobo Antunes introduziu na sua obra, em 2003, as edições ne varietur, ou seja, com o texto fixado por um filólogo e autorizado pelo autor. Acabei há algum tempo de ler a obra Sôbolos rios que vão e constatei, por várias vezes, a elisão do sujeito pela contração indevida dos artigos a/as/o/os com as preposições da/das/do/dos, por exemplo em:

«[…] recordou-se da [em vez de a] mãe acariciar o gato até que a respiração cessou […]» (p. 39)

«[…] e o modo como a areia brilhava antes das [em vez de as]  gaivotas chegarem […]» (p. 39)

«[…] e a vinha ora roxa ora verde, qual o motivo da [em vez de a] vinha continuar lá em baixo […]» (p. 75)

«[…] até muito depois do [em vez de o]  fumo desaparecer […]» (p. 116)

«[…] depois do [em vez de o] avô morrer […]» (p. 170)

«[…] não há maneira do [em vez de o] palerma entender […]» (p. 191)

«[…] e ele com receio dos [em vez de os] colegas lhe chamarem bebé […]» (p. 195)

Nos casos referidos, a preposição está relacionada com o verbo e não com o substantivo e introduz uma construção com infinitivo (acariciar, chegarem, continuar, desaparecer, morrer, entender, chamarem), razão pela qual a contração não pode ocorrer.

Há obviamente ao longo da obra muitas outras frases com construções semelhantes às acima transcritas em que não se faz aquela contração e o sujeito não é elidido. Nem faria tal referência se não se tratasse de uma edição ne varietur, com revisão filológica. Sendo-o, era exigível maior rigor.

20/02/2013

Sobre o autor

* Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo). 

 

 

Enviar:

Artigos
Última hora
A diferença entre assassínio/assassinato e homicídio
"Jihadistas" contra jiadistas
Porquê jiadista, e não "jihadista"
E pur si muove!
E se existisse o verbo striptear (ou stripitizar)1?
O anómalo "jihadista"
Como (não) caber numa carteira
Um bom censo (espera-se) com bom senso
A barafunda
entre islamitas e islamistas


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos